Banco de Leite ganha nova sede com modernas instalações

81
Imagem Divulgação

O Banco de Leite Humano (BLH) de Guarulhos passou a atender em novo endereço a partir desta quarta-feira, dia 27. A nova sede funcionará de segunda a sábado, das 7 às 19 horas, na rua Otávio Forghieri, 70, ao lado do Fórum (região central).

Com modernas instalações, o BLH oferecerá melhores condições de trabalho aos seus funcionários e maior conforto às usuárias, além de poder aumentar a sua demanda de trabalho, com a instalação de novos postos de coleta em locais que demonstrarem interesse.

A mudança para a nova sede abre uma nova página em sua trajetória de mais de uma década no município, ajudando a recuperar bebês prematuros ou com graves problemas de saúde, internados nas UTIs neonatais da cidade. Instalado nas dependências do Hospital Municipal da Criança e do Adolescente (HMCA) desde 2000, o Banco de Leite Humano de Guarulhos é o único da região do Alto Tietê, sendo referência para 11 municípios vizinhos.

O serviço foi criado para dar assistência às crianças nascidas na antiga maternidade que funcionava no prédio do HMCA. Ao longo desses anos, o Banco de Leite ampliou seu trabalho e, hoje, atende em domicílio mães da cidade e também dos seguintes municípios: Arujá, Santa Isabel, Itaquaquecetuba, Suzano, Poá, Ferraz de Vasconcelos, Mairiporã, Biritiba Mirim, Salesópolis, Mogi das Cruzes e Guararema.

Desde sua inauguração até o final do mês passado, o BLH pasteurizou e distribuiu para as UTIs neonatais um volume superior a 8.350 litros de leite, beneficiando milhares de bebês prematuros, com problemas de saúde ou com baixo peso ao nascer.

Nova sede

Para a gerente do BLH, Rose Meire de Freitas Santos, a sede própria “é a realização de um sonho”. Ela disse que sua intenção é ampliar o trabalho e tornar o Banco de Leite um centro de referência regional em aleitamento materno. “Nós temos condições, capacidade e vontade de realizar mais esse sonho”, disse.

Na nova sede, o BLH contará com salas específicas para armazenamento de leite humano cru e pasteurizado, o que antes era feito no mesmo espaço. Terá ainda salas individualizadas para o preparo dos frascos e para o processo de esterilização, bem como ampla recepção, sala de ordenha com ambiente para higienização e preparo das mães, sanitários para pessoas portadoras de deficiência, fraldário, laboratório, área administrativa e sala de pasteurização de acordo com as normatizações atuais de Vigilância Sanitária.

Além disso, em seu novo prédio o BLH terá um anfiteatro com capacidade para 15 pessoas, espaço que será utilizado para a realização de atividades de incentivo e promoção ao aleitamento materno, cursos, palestras, bem como para receber gestantes, mães, estudantes e acadêmicos que procuram o serviço.

Redução da mortalidade infantil

Durante a solenidade de inauguração, a secretária de Saúde, Teresa Pinho de Almeida Tashiro, destacou a importância do aleitamento materno para a redução da mortalidade infantil e para a recuperação dos bebês prematuros. “Já no primeiro ano de implantação do Banco de Leite na cidade conseguimos reduzir a mortalidade infantil no município, passando de 20,98 óbitos para cada mil nascidos vivos, para 17,43 mortes no ano seguinte”, destacou.

Segundo a secretária, com a utilização de fórmulas lácteas no tratamento de prematuros ou bebês com graves problemas de saúde o tempo de recuperação e alta da UTI pode demorar até quatro meses, enquanto que a introdução do leite materno reduz esse período para cerca de seis semanas.

O vice-prefeito Carlos Derman, por sua vez, disse que seu maior desafio é reduzir a mortalidade infantil para apenas um dígito. “Para isso, o aleitamento materno é fundamental em termos de defesa contra infecções. Temos que fazer uma grande campanha para incentivar as mães a doarem o volume excedente e pretendemos ainda este ano instalar postos de coleta no Hospital Municipal Pimentas Bonsucesso e no Hospital Stella Maris”, destacou.

Representando o prefeito Almeida, Derman também falou da importância da data não somente pela transferência do Banco de Leite, mas porque essa mudança possibilitará a ampliação do Hospital Municipal da Criança e do Adolescente. “O HMCA precisa muito desse espaço”, explicou.

Via: Prefeitura de Guarulhos