Caps Recriar oferece atendimento especial para pessoas com autismo

92
Imagem Divulgação
Imagem Divulgação

A Prefeitura tem dado atenção especial às pessoas com deficiência e entre eles os que têm autismo. Exemplo disso é o Centro de Atenção Psicossocial Recriar (Caps), um equipamento municipal que oferece tratamento com equipe multidisciplinar (médico, psicólogos, assistentes sociais, terapeutas ocupacionais, auxiliares de enfermagem, enfermeiros, farmacêutico) a crianças e jovens com transtornos globais graves como autismo, ansiedades, depressão e desorganização psíquica e bipolaridade.

O Caps Recriar, localizado na rua Michael Andreas Kratz, 22 Macedo, faz o acompanhamento clínico e familiar e promove a reinserção social. Em dezembro de 2012 estavam cadastrados 386 pacientes.

Tecnologia

Márcia de Matos, coordenadora da unidade, explica que a criança com autismo tem dificuldade de se socializar em pares, com outras crianças, ou com adultos e o uso do computador amplia suas possibilidades de comunicação. Matos conta que o Departamento de Informática e Telecomunicações (DIT), vinculado à Chefia do Gabinete, procurou o Centro para desenvolver um projeto na criação de um software com jogos para crianças com autismo. A equipe do Centro, juntamente com crianças autistas, participou de um laboratório que contribuiu para que o software fosse testado e aprovado pelas crianças.

“Hoje muitas crianças acessam os jogos em casa, pois o Caps Recriar não possui computadores para os pacientes”, disse Matos.
A ideia de desenvolver o software surgiu de um desafio do próprio DIT de utilizar a tecnologia como instrumento de acessibilidade. A maior dificuldade do projeto foi reproduzir a linguagem compreendida pelo autista. A equipe de produção precisou primeiro conhecer mais sobre o autismo, suas necessidades e anseios.

Trata-se de uma ferramenta gratuita e de fácil acesso. O ambiente gráfico foi customizado para facilitar sua utilização e adaptação a outros sistemas operacionais para facilitar o processo de comunicação, relacionamento, aprendizagem, mobilização, expressão e organização procurando atender necessidades físicas, mentais, sociais e cognitivas do autista.

Segundo o coordenador de Políticas para Pessoas com Deficiência e Mobilidade Reduzida, Firmino Manoel da Silva, graças à parceria dos profissionais de tecnologia e da saúde foi possível elaborar esta importante ferramenta para o processo educacional. O DIT com a missão de desenvolver o software e a Saúde com conhecimento prático sobre o universo do autista possibilitaram a criação de seis jogos educativos, que podem ser acessados por qualquer computador com internet.

Para baixar o programa gratuitamente acesse: guarux.guarulhos.sp.gov.br/tdgrux/

Via: Prefeitura de Guarulhos