Paulo Freire na Casa dos Cordéis. Participe!

313
Imagem Divulgação

… VIVA O CAUSO BRASILEIRO !!! Neste show de causos e canções, o violeiro traz acontecimentos e músicas que tratam do humor e o imaginário que habitam nossa cultura popular. Paulo Freire conta histórias de cemitério, o encontro de Jesus Cristo com o Corpo-Seco, a poderosa galinha que o violeiro se apaixonou, uma receita para se fazer o famoso pacto com o capeta. Entre um causo e outro apresenta suas composições, além de músicas de Alvarenga e Ranchinho e divertidas canções caipiras que vem colecionando em suas viagens pelo Brasil. O espetáculo “Viva o Causo Brasileiro!” propõe um encontro à beira do fogo, rodeado por nossos mitos e ponteado pela violinha. E busca revelar e partilhar as histórias escondidas em algum canto de nossa memória, individual ou coletiva, a partir dos causos de tradição oral. O violeiro é autor de trilhas sonoras, canções, romances, biografias, livros de causos, CDs de viola (segue currículo anexo). Tem participação em trabalhos de diferentes artistas brasileiros e é colaborador de diversas publicações.

PAULO FREIRE

Estudou violão com Henrique Pinto, em São Paulo, e Betho Davesaky, em Paris, onde obteve medalha no “Concours de Classes Supérieurs de Paris”.
Em 1977, apaixonado pelo romance “Grande Sertão: Veredas”, de João Guimarães Rosa, foi morar no Norte de Minas Gerais, região do rio Urucuia. Aprendeu a tocar viola com Manoel de Oliveira e outros mestres da região. Aprofundou-se nos costumes e lendas do sertão. Tocou as violas e compôs músicas para o seriado “Grande Sertão: Veredas”, da TV Globo. Morou em Paris de 1982 a 1985. Além de estudar violão clássico, atuou em grupos de Música Popular Brasileira em vários países da Europa e na Argélia. Compôs trilhas especiais para matérias do programa “Globo Rural”, da TV Globo (entre elas “Escola de Peões”- Prêmio Wladimir Herzog de Direitos Humanos – 1993 e “O Umbu”- Prêmio Febraban – 1994). Compôs, em parceria com Swami Júnior, a canção “Bom Dia”, gravada por Zizi Possi no disco “Valsa Brasileira” (Prêmio SHARP – melhor disco do ano – 1994). Tem dois romances publicados pela editora Guanabara: “O Canto dos Passos” – 1988, e “Zé Quinha e Zé Cão, vai ouvindo…” – 1993.

Realiza uma turnê de viola-solo pela Europa, apresentando-se em festivais de World Music da Bélgica e Holanda – 1995. Grava seu primeiro disco solo de Viola: “Rio Abaixo”, independente, em 1995 (Prêmio SHARP de Revelação Instrumental). Escreve o livro “Eu Nasci Naquela Serra”, biografia dos compositores paulistas Angelino de Oliveira, Raul Torres e Serrinha, em 1996, lançado pela Editora Paulicéia.

Narrando a vida destes grandes compositores (autores de “Tristezas do Jeca”, “Saudades de Matão”, “Cabocla Tereza”, “Chitãozinho e Xororó”, entre outras), é contada a história da música caipira, até a transformação desta no gênero sertanejo. Escreve na revista “Caros Amigos”, da Editora Casa Amarela, desde o número 1 até o ano de 2007. Foi integrante da Orquestra Popular de Câmera, que lançou seu primeiro CD em 1998. Prêmio Movimento – Melhor CD do ano. Em 1999 faz shows pelos EUA. Grava seu segundo CD solo: “São Gonçalo”, pela Pau Brasil, lançado em 1998.

Participa da série “Violeiros do Brasil”, televisionada pela TV Cultura e lançada em CD pelo selo Núcleo Contemporâneo. Tem uma sonata dedicada a ele: a “Sonata para viola caipira e violão”, composta por Paulo Porto Alegre. Esta obra foi interpretada e registrada em CD pelos dois instrumentistas na série “Rumos Musicais” do Instituto Cultural Itaú. Entra para o grupo ANIMA, e grava o CD “Especiarias” – Prêmio Carlos Gomes, melhor grupo de câmera – 2000. Realiza duas turnês pelos EUA com o grupo Anima, em 2000 e 2001. Lança o livro e CD “Lambe-Lambe”, pela Editora Casa Amarela. Grava uma versão da música Boi da Cara Preta para o selo americano Ellipsis Arts, na coletânea Papa’s Lullaby, lançado por esta gravadora em junho de 2001 – Prêmio Silver Parents Choice – EUA. Participa das filmagens do documentário sobre a vida e obra de João Pacífico – direção de Paulo Weidebach. Junto aos violeiros Roberto Corrêa e Badia Medeiros, participa do projeto “Sonora Brasil”, do SESC Brasil, tendo excursionado pelo país e se apresentado em 36 cidades de oito estado brasileiros. Lança o CD “Esbrangente”, em 2003, com os violeiros Roberto Corrêa e Badia Medeiros.

Grava as violas para o filme “Deus é Brasileiro”, de Cacá Diegues. É autor do ensaio A Música dos causos, presente no livro Literatura e Música, fruto de um curso ministrado no Instituto Cultural Itaú, lançado pela Editora Senac – 2003. Lança o CD “Brincadeira de Viola”, com temas infantis, selo Vai Ouvindo – 2003. Com o “Paulo Freire Trio” – Tuco Freire, no baixo e Adriano Busko, na percussão – lança o CD “Vai Ouvindo”, ainda em 2003, com uma nova concepção para a viola. Apresenta-se com a Orquestra Sinfônica de Campinas, sob a direção do maestro Cláudio Cruz, tocando temas de sua autoria e clássicos caipiras – 2004. Produziu, junto com o irmão Tuco Freire, o CD “Vida de Artista”, de seu pai, o escritor Roberto Freire – 2005. Fez a consultoria para o livro “Viola Instrumental Brasileira”, de Andréa Carneiro de Souza, com partituras e CD dos mestres violeiros do Brasil. Em 2006 atuou na série “Tropeiros”, do programa Globo Rural, interpretando o personagem Firmino. Criou a trilha musical para o espetáculo de dança “Relevo”, da Confraria da Dança – Campinas. Produz o CD “Urucuia”, de Manoel de Oliveira, seu mestre de viola do sertão do Urucuia – 2006. Lança o CD “Redemoinho”, a viola em rodopio – 2007. Em 2008 lança o livro infantil “O Céu das Crianças” – Companhia das Letrinhas.

Um dos responsáveis pelo fato da viola estar ganhando as salas de concerto, Paulo Freire gravou com os violeiros Pereira da Viola, Passoca e Levi Ramiro e também participou da gravação de CDs dos artistas: Arnaldo Antunes, Mônica Salmaso, Luiz Tatit, Ana Salvagni, Maurício Pereira, Wandi Doratiotto, grupo Corpo, entre outros.

Participou do projeto “Violeiros do Brasil”, de Myriam Taubkim, com lançamento de livro e DVD, pelo Projeto Memória Brasileira – 2008. Compôs a trilha de abertura para o programa “Viola Minha Viola”, da TV Cultura, apresentado por Inezita Barroso – 2008. No final de 2008 teve seu musical “Pedro Paulo”, montado pelo Centro Experimental de Música do SESC Consolação, apresentando-se no Teatro Anchieta. Gravou as violas para o longa-metragem “O Menino da Porteira”, de Jeremias Moreira – 2009. Em julho de 2009 lança o CD “Nuá – as músicas dos mitos brasileiros”, pelo selo Vai Ouvindo, com patrocínio da Petrobrás. Em 2010 e 2012 participa do “Boca do Céu – Encontro Internacional de Contadores de História”, em São Paulo; e do “Simpósio Internacional de Contadores de História”, no Rio de janeiro. Lança o romance “Jurupari”, pela Editora Vai Ouvindo – 2010. Nos anos de 2003, 2004, 2005, 2007, 2010, 2011 e 2013 participa do projeto “Baú de Histórias”, do SESC Santa Catarina, tendo se apresentado em diversas cidades do Estado com show de causos. É um dos curadores do Festival Voa Viola, evento nacional que conta com premiações, shows pelo Brasil e Rede Social – 2010/2012. Lança o novo CD “Alto Grande” em setembro de 2013. Vem fazendo shows, oficinas de viola e oficinas de causos pelo Brasil.

Serviço

  • Data: 22 de março de 2014
  • Horário: às 20h00
  • Local: Casa dos Cordéis (Veja o endereço)
  • Valor: entrada 15,00