Teatro Adamastor recebe 2ª Mostra de Teatro do Oprimido

73
foto Márcio Lino

Acontece nos dias 14 e 15 de abril, no palco do Teatro Adamastor, a 2ª Mostra Teatro do Oprimido na Saúde Mental – Encontros e Práticas em Guarulhos, quando multiplicadores da metodologia criada pelo teatrólogo Augusto Boal se reúnem para discutir seus saberes e práticas realizadas na cidade desde 2006.

Nestes dias serão apresentadas peças teatrais com atuação de grupos de Guarulhos, ao final de cada apresentação alguns dos espectadores presentes serão convidados a subir ao palco e, trocando de lugar com o protagonista, mostrar alternativas aos problemas encenados. Nas peças os atores encenam episódios da vida real de pessoas e suas relações com a sociedade.

“O espectador (ou espect-ator) da sessão de Teatro-Fórum não é um consumidor do bem cultural, mas sim um ativo interlocutor que é convidado a assumir o papel do oprimido ou de seus aliados para interagir na ação dramática de maneira a apresentar alternativas para transformar a realidade – ser ator de sua própria vida”, diz a psicóloga Yara Toscano , curinga do Centro de Teatro do Oprimido.

Durante a Mostra acontece ainda: o lançamento do livro póstumo do teatrólogo e ensaísta Augusto Boal, A Estética do Oprimido, considerado o testamento artístico do autor; exposição de produtos artísticos produzidos pelos grupos locais; palestras; exibição de um curta metragem; e a sessão solene simbólica de Teatro Legislativo a partir da cena Dança do Casamento.

“Na sessão de Teatro Legislativo, a platéia, além de fazer as intervenções substituindo o personagem oprimido, pode também sugerir propostas de Lei ou de ações concretas que tragam alternativas ao problema. Com o apoio de um assessor legislativo e um especialista no tema, serão selecionadas duas propostas para serem debatidas e votadas. As aprovadas serão encaminhadas ao Poder Legislativo ou às autoridades competentes. Através do Teatro Legislativo foram criadas 13 Leis Municipais na cidade do Rio de Janeiro, duas Leis Estaduais nesse estado e tramitam no Congresso Nacional dois Projetos de Lei”, afirma Yara.

A Mostra integra o Projeto Teatro do Oprimido na Saúde Mental cujo objetivo é a capacitação e acompanhamento de profissionais da saúde de São Paulo, Rio de Janeiro e Sergipe, nas técnicas do Teatro do Oprimido, levando a transformações políticas e uma relação mais humana entre os pacientes, seus familiares e estes profissionais. O Projeto patrocinado pelo Ministério da Saúde, por intermédio da Coordenação Nacional de Saúde, é uma realização do Centro de Teatro do Oprimido em parceira com a Prefeitura de Guarulhos, por intermédio da Secretaria Municipal de Saúde, e apoio da Pfizer.

“De atividades como esta surgiu na cidade de Guarulhos o Núcleo de Saúde e Cultura Augusto Boal, idealizado pelos profissionais da saúde para ser um espaço intersetorial que articule a produção artística dos usuários e dos profissionais da saúde do município, propondo ações conjuntas com a participação da comunidade”, informa o sociólogo Geo Britto, coordenador nacional do Projeto Teatro do Oprimido na Saúde Mental.

SERVIÇO

  • 2ª Mostra Teatro do Oprimido na Saúde Mental – Encontros e Práticas em Guarulhos
  • Local: Teatro Adamastor . Endereço: Av. Monteiro Lobato 734, Centro, Guarulhos
  • Informações: (11) 2443-2168
  • Capacidade de público: 700 pessoas
  • Dias 14 e 15 de abril
  • Horário: 14 às 18h
  • Classificação indicativa: LIVRE
  • Ingressos GRÁTIS

PROGRAMAÇÃO:

  • Dia 14 DE ABRIL
    14:00h – Abertura com palavras do Dr. Carlos Derman, secretário de saúde do município, e do sociólogo Geo Britto, coordenador nacional do Projeto Teatro do Oprimido na Saúde Mental; na sequência haverá exibição de vídeo sobre o Projeto.14:30h – Abertura da exposição e lançamento do livro A Estética do Oprimido, com palestra de Geo Britto, sociólogo e curinga do Centro de Teatro do Oprimido, a respeito da aplicação desta técnica no projeto Teatro do Oprimido na Saúde Mental.15:00h – Apresentação do espetáculo “Dança do Casamento” com o Grupo Mulheres em Ação, seguido de Teatro Legislativo. Sinopse: A peça conta a história real de uma mulher que sofre violência doméstica e quando resolve se separar do marido e procura ajuda legal, encontra um sistema despreparado. Sobre o Grupo: Composto por profissionais e usuárias da saúde mental que fazem uso de psicotrópicos, com idades de 18 a 60 anos, moradoras do Distrito Dutra Trabalhadores, o grupo foi criado por Gilmara Azenha, assistente social e multiplicadora do Teatro do Oprimido, para atender em grupo os casos de mulheres com transtorno mental da região.

    17:30h – Coquetel

  • Dia 15 DE ABRIL
    14:00h – Abertura com fala dos multiplicadores do Teatro do Oprimido de Guarulhos, seguido de exibição de vídeo da Saúde Mental14:30h – Apresentação de espetáculo “Princesinha do Papai” com o Grupo Primavera, seguido de Teatro-Fórum. Sinopse: A peça conta a história real de uma adolescente que tem dificuldade de travar um diálogo familiar sobre sexualidade e acaba engravidando, o que piora muito sua relação em casa. Sobre o Grupo: Composto por agentes comunitárias de saúde do município com idades de 25 a 60 anos, moradoras do Jardim Primavera, o grupo foi criado por Rozália Martinha Rocha e Valéria Forte, agentes de saúde e multiplicadoras do Teatro do Oprimido, para debater temas pertinentes ao atendimento que realizam na região.16:00h – Apresentação de espetáculo “E agora Ritinha?” com o Grupo Belvedere, seguido de Teatro-Fórum. Sinopse: A peça conta a história real de uma relação familiar extremamente conturbada, onde uma adolescente de 16 anos sofre opressão psicológica e violência física do padrasto e de sua própria mãe. Sobre o Grupo: Composto por agentes comunitárias de saúde do município com idades de 25 a 60 anos, moradoras da região Cantareira, o grupo foi criado por Márcia Creuza da Silva e Karina Aparecida dos Santos, agentes de saúde e multiplicadoras do Teatro do Oprimido, para discutir temas pertinentes ao atendimento que realizam no município.

O TEATRO DO OPRIMIDO NA CIDADE DE GUARULHOS

Supervisora do Projeto de Teatro do Oprimido na Saúde Mental na cidade de Guarulhos, a psicóloga Yara Toscano, concedeu depoimento ao Portal CTO a respeito dos quatro anos Projeto na cidade:

“Em Guarulhos o Projeto inicia-se em 2006 em 4 unidades de saúde: CAPS II (Centro de Atenção Psicossocial II), Ambulatório da Criança, CAPS Tear e CAPS Álcool e Drogas; capacitando seus enfermeiros, terapeutas ocupacionais, psicólogos e assistentes sociais.

Em 2007, duas cenas destacam-se e são apresentadas em praças públicas, teatros e unidades de saúde. Duas temáticas são amplamente debatidas: a da mulher com transtorno mental aprisionada em casa por seus familiares – fato muito mais comum do que podíamos imaginar; e a mulher anorexica que questiona os padrões de beleza de nossa sociedade moderna e os caminhos de tratamento para anorexia.

Em 2008, 2009 e 2010, o Projeto estende-se para a Atenção Básica e mais profissionais de saúde são envolvidos: além dos já mencionados, incluíram-se agentes comunitários de saúde, atendentes do SUS e recepcionistas. A inclusão da Atenção Básica possibilita um novo alcance ao projeto e permite que trabalhadores da saúde, usuários e seus familiares possam discutir a temática da loucura, de outros temas relacionados à saúde mental e o próprio sistema de saúde nas unidades, criando alternativas para democratizar e humanizar o atendimento de saúde mental no Brasil.

Além de aproximar os usuários dos profissionais, diminuindo o preconceito e fortalecendo o aprendizado de como interagir com pessoas com sofrimento psíquico. Nessa nova etapa, o Projeto capacitou mais de 50 profissionais, com encontros semestrais e mensais, possibilitando um processo de capacitação continuada. Mais de 25 unidades conheceram diretamente o Teatro do Oprimido e 17 grupos foram formados, atendendo a todas as faixas etárias. Parte desses grupos produziu peças de Teatro Fórum apresentadas mais de 50 vezes em diferentes locais em 2009 e 2010. Outra parte produziu obras da Estética do Oprimido – esculturas e quadros coletivos. Indiretamente, o Projeto atingiu mais de 3.500 pessoas.

O CAPS Tear se projetou como o pólo irradiador da proposta, com seus usuários teatralizando cenas desde 2006 e apoiando os vários grupos existentes na cidade. As Peças criadas pela comunidade e profissionais de saúde nessa fase também abordaram em sua grande maioria a temática de gênero: mulheres oprimidas em hospitais psiquiátricos; oprimidas por uma gravidez indesejada; agredidas por seus “companheiros”; e exploradas e agredidas na infância.

No momento, a equipe envolvida no trabalho, discute com interlocutores, coordenadores da Secretaria de Saúde a continuidade do Projeto, procurando articular o Teatro do Oprimido com outras formas alternativas de promoção de saúde mental pertencentes à Secretaria de Saúde; com o sistema matricial de gestão da saúde; e com outras secretarias.”

ATENDIMENTO À IMPRENSA

Ney Motta | Centro de Teatro do Oprimido
Assessor de comunicação
(21) 2539-2873 e 8718-1965