Secretaria da Saúde inicia a 3ª Campanha de Combate à Sifilis Congênita

42
Foto: José Luiz/PMG

“Todo bebê merece nascer e viver com saúde. Dê também a sua mãozinha. Abrace esta causa”. Esse é o tema da 3ª Campanha Municipal de Combate à Sífilis Congênita, aberta oficialmente pelo secretário de Saúde, Carlos Derman, e sua adjunta, a médica Teresa Pinho de Almeida Tashiro, nesta segunda-feira (18), no Centro Educacional Adamastor (Macedo). Com atrações para vários públicos diferentes, a programação se estende até a próxima quinta-feira (21).

Aberto à população, o primeiro dia da Campanha contou com jogos de multimídia interativos de palco sobre Doenças Sexualmente Transmissíveis – DST/HIV/Aids, apresentação de peça teatral, seminário e mostra de filmes. Na solenidade de abertura, a secretária adjunta de Saúde destacou a importância da campanha para prevenir a doença e defendeu a qualificação cada vez maior do pré-natal.

Já o secretário lembrou que a sífilis, uma doença que matava milhares de pessoas na Idade Média, ainda causa preocupação nos dias de hoje. “Apesar do exame para a detecção da doença ser realizado em todas as Unidades Básicas de Saúde, bem como o tratamento ser gratuito na rede, ainda morrem muitas crianças com sífilis congênita e outras tantas nascem com problemas. O que falta é educação em saúde e conscientização. Vamos juntos lutar contra esse mal”, disse.

Fórum e Gincana

A programação prossegue nesta terça (19)  e na quarta-feira (20)com a 1ª Gincana de Jogos em Educação Preventiva às DST-Aids, que será promovida das 18 às 22 horas na Escola Municipal Mário Lago (Parque Primavera). Já no dia 21, das 8 às 12 horas, acontece o 1º Fórum de DST-Aids de Guarulhos. Voltado para os profissionais da área médica, o evento será realizado no Hotel Mônaco e contará com a participação do médico Rubens Matsuo, do Programa Estadual de DST-Aids.

A sífilis é uma doença infecciosa causada pela bactéria Treponema pallidum. Ela pode ser transmitida por meio de relações sexuais sem preservativos, transfusão de sangue e da mãe para o bebê, durante a gestação e o parto (sífilis congênita). A doença é quatro vezes mais frequente nas gestantes do que a infecção pelo HIV. Estima-se que a cada ano 48 mil grávidas estejam infectadas pela doença no País. Desse total, aproximadamente 12 mil crianças adquirem sífilis congênita. A doença tem cura se o tratamento for feito tanto na gestante como em seu parceiro.

FONTE: PMG