Nissan Frontier Attack ficou mais potente e menos poluente

173
Imagem Divulgação

Picape para macho, mas para macho mesmo é a Nissan Frontier. Produzido em São José dos Pinhais (PR), o modelo tem seu lado machista assumido e faz questão de deixar isso bem claro pela vestimenta simples e pelo andar nada delicado. Apesar da versão Attack SE 4×4, testada pelo ZAP Carros, desconhecer requinte e fugir das aulas de etiqueta (assim acontece nas outras seis configurações), a sua proposta é clara e cumprida, sem qualquer enganação. Ou seja, está aí com seu motor robusto de 2.5 l turbo, de 190 cv a 3.600 rpm (o mais potente, atualmente) para enfrentar qualquer parada, sem frescura.

Imagem Divulgação

Sua força (45,8 kgfm) está disponível em baixa rotação, logo aos 2 mil giros. É só apertar um pouco mais o pedal da direita para a picape de descendência japonesa urrar (movida a diesel, o barulho incomoda, pois o isolamento não é eficaz) e mostrar que gosta de trabalho pesado. Quanto mais serviço, melhor. No entanto, sua transmissão de seis marchas treina a paciência do motorista quando a intenção é engatar a marcha ré, pois o encaixe não é preciso. Na maioria das vezes, são várias as tentativas até o comando estar no local exato. As demais relações não criam intrigas com o propulsor.

Imagem Divulgação

Avaliada em R$102.690 (com IPI reduzido), a concorrente da Volkswagen Amarok eChevrolet S10 é a única do segmento que não traz “fru-fru” e quer agradar pelo que realmente é, sem qualquer preocupação com traquejo social. A versão testada de cor verde é como o Shrek, personagem de desenho infantil, que consegue conquistar a princesa Fiona e todo o reino com seu jeitão ogro, mesmo tendo como rival o príncipe, um candidato cheio de requinte.

Imagem Divulgação

Por fora, os traços continuam a transmitir força – no quesito design nada mudou, desde a última novidade da linha apresentada em fevereiro. Por dentro, a configuração de cabine dupla oferece ótimo espaço para os ocupantes, definido pelos 5,23 metros de comprimento, 1,78 m de altura, 1,85 m de largura e 3,2 m de entreeixos. A caçamba, que suporta até 1.030 kg, acomoda bem as bagagens, mas para evitar qualquer problema, caso chova, o motorista precisa desembolsar mais R$ 735,25 (sem instalação e frete) pela capota marítima, item opcional.

Imagem Divulgação

A suspensão é rígida, como nas rivais, para poder suportar o peso da carga. Em locais esburacados, os ocupantes sentem certo desconforto. Pelo seu “pequeno” tamanho dá para imaginar como é “fácil” estacionar ou até mesmo manobrar. Para ajudar nessa tarefa, há o sensor de estacionamento traseiro, que acrescenta R$ 999,90 na conta final, pois não vem de fábrica. De série, a configuração SE Attack 4×4 traz: vidros e travas elétricos, abertura interna do tanque de combustível, ar-condicionado, faróis de neblina, alarme, air bag duplo, freios ABS com Distribuição eletrônica de Frenagem (EBD) e rádio com MP3.

Via: Zap Carros