Ambulatório da Criança já pode fornecer próteses auditivas

31
Foto: Silvio J. Siqueira/PMG

Neste mês em que se celebra o Dia Mundial do Surdo, o Ambulatório da Criança obteve uma importante conquista para seus pacientes com problemas de audição. Depois de enfrentar um processo de credenciamento de quatro anos, a unidade conquistou a habilitação como serviço de atenção à saúde auditiva de média complexidade. O título, outorgado pelo Ministério da Saúde, vai permitir que o ambulatório inclua em seus atendimentos a instalação de até 50 aparelhos auditivos por mês em crianças acima de três anos de idade.

As três primeiras próteses foram entregues na semana passada e outras 59 crianças já estão em processo de avaliação clínica para a obtenção do benefício. Para Solange de Barros Silva, mãe da primeira menina contemplada, a entrega do aparelho significa a integração de sua filha à sociedade. “Hoje é um grande dia para mim e para minha filha. Estou muito feliz porque para nós seria inviável a aquisição do aparelho neste momento”, disse.

Custo Alto

As próteses, que custam em média R$ 6 mil em instituições privadas, serão oferecidas gratuitamente no Ambulatório. Porém, o processo de avaliação diagnóstica até a instalação do aparelho de amplificação sonora é demorado, podendo chegar a quatro meses.

Após a detecção da perda auditiva por um médico otorrinolaringologista do SUS (Sistema Único de Saúde), o paciente é encaminhado ao Ambulatório para a realização de uma série de exames, entre eles a avaliação audiológica. Na sequência, é feita a pré-moldagem do ouvido, bem como são agendados vários testes com três aparelhos auditivos diferentes, para aferir qual melhor se adapta à criança. Feito isso, o molde é encaminhado para uma das seis empresas cadastradas e, depois de pronto, é submetido a novas provas.

Conforme explicou Haydeé Barreto Aguiar Silva, gerente da unidade, cada criança precisa passar pelo menos quatro vezes no setor de audiologia, sem contar as consultas com o otorrinolaringologista. Os pacientes serão acompanhados durante todo o processo de adaptação e aqueles que necessitarem receberão terapia fonoaudiológica e também psicológica se for o caso.

A prótese tem vida útil que varia de cinco a seis anos, porém necessita de manutenção a cada seis meses. Com um médico otorrinolaringologista, quatro fonoaudiólogas, uma psicóloga, uma assistente social e um profissional administrativo, o serviço de atenção à saúde auditiva do Ambulatório da Criança conta com estrutura e suporte para a efetivação completa do atendimento.

FONTE: PMG